“Redução de jornadas e salários serve ao patronato brasileiro”, diz Ricardo Antunes

A Medida Provisória 927, instituída pelo governo de Jair Bolsonaro (sem partido) e que permite a redução das jornadas de trabalho e dos salários dos trabalhadores, é apenas “uma tentativa de minimizar as perdas do patronato e criar uma confusão na classe trabalhadora”, afirma Ricardo Antunes, professor titular de Sociologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Antunes foi o convidado desta quinta-feira (2) do programa BdF em Casa, produção do Brasil de Fato durante a quarentena de combate à propagação do coronavírus no País, que vai ao ar de segunda a sexta-feira, às 17h, no canal do jornal no YouTube e no Facebook

O professor definiu como “assustador” o neoliberalismo adotado por Bolsonaro e por seu ministro da Economia, Paulo Guedes. “Enquanto os governos neoliberais do centro estão tomando medidas mais incisivas, como na França, na Inglaterra e até mesmo nos Estados Unidos, aqui se faz o contrário”.

A única medida aceitável nesse momento, afirma Antunes, “por um governo minimamente comprometido com a população em geral do país — o que não é o caso deste — seria uma renda mínima, de três salários mínimos para todos as trabalhadoras e os trabalhadores que se encontram na informalidade, no desemprego, ou no trabalho intermitente”.

Assista ao programa na íntegra: 

By Alice Pavanello

Deixe um comentário

Veja também